Absolutamente fodido esse livro lançado pela Fantagraphics Books ano passado.

Tim Lane apresenta um estudo pessoal sobre o que ele chama de “The Great American Mythological Drama”, uma névoa de acontecimentos/pensamentos/sonhos/decepções na música/literatura/vida norte-americana.

Apesar de no início parecer apenas mais um exemplo de um bom quadrinho independente/alternativo americano criticando e ironizando sua sociedade, Lane leva a coisa pra um lado muito mais introspectivo e extremamante triste.

Personagens dirigindo carros por estradas sem idéia de um destino, ou indo resolver alguma mágoa do passado, ou indo ao encontro da mulher que achou que nunca mais o aceitaria, ou indo embora pra casa depois de um porre em algum bar podre da cidade vizinha. Tudo envolto numa puta desesperança.

Em apenas duas páginas de “Those Were Good Years”, a história do velho Phil no enterro de sua recém falecida esposa, faz parar pra tomar uma água.

Como mais um expositor de personagens norte-americanos desajustados e confusos, rola a ligação direta com as obras de Daniel Clowes e Charles Burns. Tim Lane assume a influência deles, mas destaca mais os quadrinhos de Will Eisner, a literatura de Hemingway e Kerouac, e a música norte-americana, incluindo o jazz e o álbum Nebraska, do Springsteen.

Pra matar a pau, o livro fecha com uma versão em quadrinhos da história de Stagger Lee, com Tim Lane pedindo para mais autores fazerem versões em quadrinhos, como todas as versões que existem na música, e assim alimentar o fantasma do “The Great American Mythological Drama”.

Ótima entrevista no The Comics Reporter. E um vídeo jóinha pra dar vontade de comprar no Flickr da Fantagraphics.